2008 revisitado…

img_0345 Pormenor da Torre do Relógio – Praça de S. Marcos, Veneza – [Dezembro de 2008]

(O relógio exibe de forma exuberante, em tons de azul e dourado, as fases da lua e os signos do zodíaco.)

Não dou grande importância à passagem do ano, ou melhor, não valorizo aqueles breves segundos que à meia-noite de 31 de Dezembro distanciam dois anos – o que termina e o que está prestes a começar. Prefiro parar para pensar no que vivi, senti e aprendi com o que passou, para que o recomeço seja feito, se possível, com passos conscientes e  seguros, mas sempre de mãos dadas com a espontaneidade e em contacto com o mundo que me rodeia. Foi um ano de descoberta interior, com altos e baixos, momentos que me permitiram conhecer a alegria através da tristeza, a felicidade através de momentos de angústia… mas que fizeram de mim um ser mais sereno e seguro de si mesmo.
Por isso continuo a deixar aqui as palavras (minhas ou de outros), numa partilha de emoções pessoais, quase sempre associadas ao que acontece à minha/nossa volta. E na minha e nossas vidas aconteceram muitas coisas…

Os Deolinda afirmaram-se no panorama musical português com o álbum “Canção ao lado”, destacando-se a forma sui generis como interpretam as suas músicas ao vivo. Eu experienciei essa energia em Aveiro, num concerto soberbo e singular. Não posso esquecer também a noite fantástica que os Donna Maria proporcionaram em S. João da Madeira, ou do fado sentido que Camané trouxe a Ìlhavo.

Na sétima arte, destaco os filmes “No Country for Old Men” dos irmãos Cohen e  “Blindness” de Fernando Meirelles (um “murro no estômago” que ainda não me deixou fazer grandes considerações). Lamenta-se a partida de Heath LedgerPaul Newman, Sydney Pollack, Anthony Minghella, entre outros.  

beijing-2008-logo1

Relembro com orgulho as medalhas de ouro e prata, conquistadas respectivamente pelo Nelson Évora e pela Vanessa Fernandes nos Jogos Olímpicos de Pequim, bem como as cerimónias de abertura e encerramento dos mesmos. Convém não esquecer igualmente a bravura de Michael Phelps, o “Senhor das Águas”, ao conseguir oito subidas de ouro ao pódio.

Barack Obama é eleito Presidente dos Estados Unidos da América, numa vitória retumbante do “Yes we can”, frase que imprimiu no coração dos americanos. O vídeo que o cantor Will.I.Am promoveu, resulta dessa mística que Obama exerceu sobre todos os que, de diferentes modos, o apoiaram.

Crise passa a ser a palavra mais ouvida, um pouco por todo o mundo e os Contemporâneos, um projecto que fez frente aos Gato Fedorento e deu cartas no humor português, criou um hino natalício, numa resposta mordaz a quem nos governa.

Fica a sensação que tudo passou a correr… eu guardo no coração pessoas que conheci e que fizeram diferença na minha vida. Neste espaço virtual que nos une, destaco o blog da Moura Aveirense, o da Laurinda Alves e o “Cheiro a Pólvora” de Luís Castro, que, de modos distintos, tiveram uma enorme influência em mim. Obrigada!

Por fim, refiro a viagem a Itália, que ficará eternamente no meu coração, por me ter proporcionado tantas recordações e momentos felizes, que tentarei partilhar aqui durante 2009. Nunca é tarde…

Feliz Ano Novo!

Anúncios

Cortar o tempo em fatias…

Cortar o Tempo

“Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança,
fazendo-a funcionar no limite da exaustão.
Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar
e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação
e tudo começa outra vez, com outro número
e outra vontade de acreditar
que daqui para diante,
vai ser diferente. “

Carlos Drummond de Andrade
* O tempo é de facto veloz, mas não posso deixar que o ano termine sem fazer o meu balanço. Até já…

Nem o Pai Natal escapa…

… ao humor dos Contemporâneos e ao talento de Nuno Lopes.

Parte 1
Parte 2
* O casting para o Pai Natal foi excelente, ou será que se trata realmente do verdadeiro senhor de vermelho? 😀

How Do You Keep Love Alive – Ryan Adams


  Ryan Adams and The Cardinals – BBC4 Sessions (2007 )

“How Do You Keep Love Alive” – Ryan Adams

Lord, I miss that girl
On the day we met the sun was shining down
Down on the valley
Riddled with horses running
Crushing them with flowers
I would have picked for her
On the day she was born
She runs through my veins like a long black river
And rattles my cage like a thunderstorm
Oh my soul

What does it mean?
What does it mean?
What does it mean to be so sad?
When someone you love
Someone you love is supposed to make you happy
What do you do
How do you keep love alive?
When it won’t

What, what are the words
They use when they know it’s over
“We need to talk,” or
“I’m confused, maybe later you can come over”
I would’ve held your mother’s hand
On the day you was born
She runs through my veins
Like a long black river and rattles my cage
Like a thunderstorm
Oh, my soul

What does it mean?
What does it mean?
What does it mean to be so sad?
When someone you love
Someone you love is supposed to make you happy
What do you do
How do you keep love alive?
When it won’t
How do you keep love alive?

Como é bom ouvir esta voz…

“Tenderly” – Rosemary Clooney

The evening breeze caressed the trees tenderly.
The trembling trees embraced the breeze tenderly.
Then you and I came wandering by,
and lost in a sigh were we.
The shore was kissed by sea and mist tenderly.

I can’t forget how two hearts met breathlessly.
Your arms opened wide and closed me inside.
You took my lips, you took my love so tenderly.

Your arms opened wide and closed me inside.
You took my lips, you took my love so tenderly.

* Esta é a minha versão preferida de “Have yourself a Merry Little Christmas”  – a música que simboliza para mim o Natal.

Feliz Natal!

img_1660
Fotografia tirada no Porto (Avenida dos Aliados) – Dezembro 2008

Have yourself a merry little Christmas,
Let your heart be light
From now on,
our troubles will be out of sight

Missão Infinita…

… é o nome da ONG fundada pelo jornalista da RTP Luís Castro e alguns dos seus amigos, num grande gesto de altruísmo e solidariedade. Esta notícia abre-se como um presente de Natal, mas com a firme certeza que abraçará iniciativas que se irão estender aos restantes dias do ano. A missão vai precisar de ajuda, por isso estejam atentos.
Para mais informações, espreitem o blog do próprio em Cheiro a Pólvora.

* Adoro estes presentes de Natal!

Quando um Homem quiser – Ary dos Santos

Quando um Homem quiser – Ary dos Santos

ouvir aqui

Tu que dormes à noite na calçada do relento
Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que dormes só no pesadelo do ciúme
Numa cama de raiva com lençóis feitros de lume
E sofres o Natal da solidão sem um queixume
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
Tu que inventas bonecas e combóios de luar
E mentes ao teu filho por não os poderes comprar
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Música: Fernando Tordo
Letra: Ary dos Santos
Intérprete: Paulo de Carvalho

David Fonseca sings “O Come All Ye Faithful”

“A arte começa onde a imitação acaba.”
Oscar Wilde

As belíssimas versões que David Fonseca produz com temas de Natal são já para mim uma tradição desta quadra. Em 2006 encantou com “Little Drummer Boy”, no ano passado brindou-nos com “Amazing Grace” e este ano traz-nos o tema “O Come All Ye Faithful” num registo sui generis, simplesmente admirável.

Na minha opinião (humilde, claro), David Fonseca nasceu claramente no país errado… Eu sei que isto soa a fatalismo lusitano, mas talvez numa outra esfera, com um público “à sua medida”,  a sua genialidade fizesse história sem grandes impedimentos. Ou será esta a forma de Portugal saber destacar a arte por entre a mediocridade? Fica a questão… 
Resta agradecer a David Fonseca e desejar-lhe também um Natal muito feliz.  

Continuando a falar do Movimento UPA08…

… deixo aqui então a sugestão para um belo presente natalício.

capa_cd_upa2008

Poder ouvir boa música e ajudar quem precisa é uma boa forma de celebrar o Natal. O movimento UPA08 concretizou o projecto neste CD/DVD, que contém os 10 temas, os spots publicitários, os making of’s, as entrevistas e as fichas técnicas. Um excelente resultado de bom gosto musical e solidariedade, asseguro-vos.

Eu já comprei! Se puderem, façam o mesmo.

lEVANTem-se CONTRA A DISCRIMINAÇÃO DAS DOENÇAS MENtAIS!