Momento egoísta do dia…

Era uma hora ou duas destas para mim, ‘faxabôr’… 😀

(O meu) passado musical #1

A Gentleman's Excuse Me by Fish (1990)

À conta de arrumações ‘profundas’ – a nível da destralha (que tanto anseio) e da limpeza emocional (a que custa mais) – encontrei as minhas velhinhas cassetes caseiras*, feitas maioritariamente por amigos cheios de bom gosto e de sabedoria musical, com quem muito aprendi, em décadas idas, onde a informação tardava a chegar, em que nem se falava de internet e ver um vídeo musical era algo que acontecia raramente.

Não sou daquelas que acha que a melhor música foi feita no século XX. Não sou purista a esse ponto. Eram outros tempos, é um facto, mas que se fizeram autênticas obras de arte com uma menor quantidade de ferramentas, lá disso não há dúvida. Começo com ‘A Gentleman’s Excuse Me’ de Fish (para quem não sabe, o primeiro vocalista dos Marillion).

* Um dia posto umas fotos dessas cassetes, para mim umas verdadeiras relíquias. 🙂

António Ramos Rosa [1924-2013]*

Caminho um caminho de palavras
(porque me deram o sol)
e por esse caminho me ligo ao sol
e pelo sol me ligo a mim

E porque a noite não tem limites
alargo o dia e faço-me dia
e faço-me sol porque o sol existe

Mas a noite existe
e a palavra sabe-o.

António Ramos Rosa, Sobre o Rosto da Terra

 

*Notícias que me deixam muito triste!

 

‘Que coisa linda que os filhos são!’

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Filhos… Filhos?
Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-los?
Se não os temos
Que de consulta
Quanto silêncio
Como os queremos!
Banho de mar
Diz que é um porrete…
Cônjuge voa
Transpõe o espaço
Engole água
Fica salgada
Se iodifica
Depois, que boa
Que morenaço
Que a esposa fica!
Resultado: filho.
E então começa
A aporrinhação:
Cocô está branco
Cocô está preto
Bebe amoníaco
Comeu botão.
Filhos? Filhos
Melhor não tê-los
Noites de insônia
Cãs prematuras
Prantos convulsos
Meu Deus, salvai-o!
Filhos são o demo
Melhor não tê-los…
Mas se não os temos
Como sabê-los?
Como saber
Que macieza
Nos seus cabelos
Que cheiro morno
Na sua carne
Que gosto doce
Na sua boca!
Chupam gilete
Bebem xampu
Ateiam fogo
No quarteirão
Porém, que coisa
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!

‘Poema Enjoadinho’ de Vinicius de Moraes (daqui)

Bom dia, ALEGRIA…


“Good Morning” do filme  Singing in the Rain (1952)