E por hoje termino o dia com estas palavras e sons na alma…

“Horas, minutos, instantes, desta vida
Seguem a ordem austera, com rigor
Ninguem se agarre à quimera, sem valor
Do que o destino encaminha, e não é novo
Pois por morrer uma andorinha, sem amor
Não acaba a primavera, diz o povo”

“Por Morrer Uma Andorinha” – Carlos do Carmo & Camané