Que voz maravilhosa*

‘Summer’s Gone (Didn’t Swim)’ by Marta Ren & The Groovelvets

*e uma banda sonora a combinar com o dia de hoje!

Nós encontramos FORA o que, na verdade, mora aqui DENTRO.*

Estou completamente rendida à simplicidade das palavras, ao tom coloquial que Fernanda Mello dá a cada assunto, à sua voz doce e característica, mas, acima de tudo, ao modo como os seus pensamentos mexem no meu mundo. E de como isso me sabe e faz tão bem!!! 

*Crónicas Digitais by Fernanda Mello (texto aqui)

Da soma dos dias do meu AM♥R pequenino…

crescer

Filho, hoje completas mais um mês de vida (o chamado aniversário ‘pequenino’). Desde o dia do teu nascimento, o dia mais feliz da minha vida, que assim é. Não há como ficar indiferente à importância deste número a cada novo mês. Estás tão crescido, meu amor pequenino! O mundo nem se apercebe desta contagem e de como cresces velozmente, é certo. Ele limita-se simplesmente a girar e a girar, mesmo que tu estejas a crescer  ‘nele’. Claro que, de vez em quando, algumas pessoas do mundo perguntam a tua idade. E é aí que a mãe se perde. Não porque eu não saiba, ou porque te queira ter sempre pequenino. A verdade é que, se até aos dois anos achava perfeitamente normal saber-te pelos meses, agora dou por mim a fazer contas pelos dedos, não vá enganar-me. Perdoa a tua mãe, filho, mas nunca gostei de números e faço tudo para simplicar tudo que leve os mesmos. Para além disso, não consigo imaginar dizer a alguém que tens 30 meses, mesmo que seja essa a verdade. Soa-me a coisa estranha! Acho que preferia usar a terminologia da bisa Maria (que infelizmente nunca conheceste) e que certamente diria que ‘andas nos 3’, que também é a verdade e até tem alguma graça, não achas? Simboliza quase um processo de ‘amadurecimento’ para chegar ao número certo. 🙂

Adiante… Mais vale ser sincera e admitir que o que a mãe prefere em alguns casos são os arredondamentos e, honestamente, filho, para quem, como eu, não é grande apreciadora de números, de explicações estatísticas ou mesmo da exactidão da matemática, esta foi uma grande conquista da humanidade. Se eu gostasse de números, aí filho, eu não contaria apenas há quantos anos e meses completas o meu mundo. Eu atrever-me-ia a saber quantos dias ou horas tem a tua vida. Isso é que era!

Nem imaginas a quantidade de formas que existem para dizer a tua idade! 🙂 Vê só:

2 anos
2 anos e meio
2 anos e seis meses
30 meses
quase 3 anos (a que eu vou usar a partir de amanhã)
[Acho que vou pedir a alguém, que goste de números, para fazer a conta em dias. Fiquei curiosa. 😀 ]

Em contrapartida, filho, a mãe adora palavras. E gosto muito de as usar, sobretudo para falar de afectos. Para falar de ti e para ti. Elas ajudam facilmente a descrever o amor gigante e sem fim que tenho por ti e que cresce, a cada segundo, a uma velocidade estonteante, mas que não sei mais uma vez pôr por números. E neste ponto, filho, ninguém consegue ser melhor do que eu e encontrar o número certo. Nem imaginas como isso me faz feliz! Porque o que importa não se quantifica. E o que importa é o amor e a maneira como cresces e não quantos dias, meses ou anos cresceste. Um dia vais perceber que há muita gente (dita) crescida que parece ter ainda 30 meses ou qualquer coisa do género. Mas isso são outras contas… 😀

♥♥♥

Esta voz ao vivo é de arrepiar…

Quem já ouviu Marisa Liz ao vivo (ainda lembro tão bem o único concerto a que assisti, na altura nos Donna Maria), sabe do que estou a falar. É música, alma, corpo e entranhas numa entrega alucinante! Não se esquece! Seja a solo ou em qualquer projecto em que esteja envolvida a força é sempre a mesma. Inesquecível!

É de pedir aos céus,
A mim, a ti e a Deus,
Que eu quero é ser feliz

[A máquina - Amor Electro]

Work in progress << Da vida e do que (posso e quero) fazer para a viver bem #4

Destino

in “Atlas do Corpo e da Imaginação”* de Gonçalo M. Tavares

* A ler e a adorar!

Para interiorizar #10


Imagem daqui

‘Todo o dia é dia de ser criança’

Tão eu… no meu estado de mulher adulta, sem nunca largar a criança que vive em mim!

Crónicas Digitais by Fernanda Mello

Queria Conhecer-Te Um Dia – António Zambujo e Dom La Nena

Dele já falei inúmeras vezes no blog. Dela não, mas falarei de certeza. Conheci a sua voz no último concerto do Rodrigo Leão (fazia então a primeira parte) e fiquei encantada com a doçura.

Adorei a combinação de vozes e sons.

É só uma fase, dizem os especialistas (e os comentadores de bancada)

Mas convenhamos que é muito ego para uma pessoa só! Aqui a mãe está a torcer que seja de facto só uma fase e que a paciência seja sempre uma aliada (como tem sido até agora)! Hoje precisei dela ‘a rodos’*!

180
Cartoon by Cathy Thorne [aqui]

*Esta suposta ‘fase’ teve hoje o seu auge num portátil atirado ao chão (o meu, coitado), sem dó nem piedade, tão-somente porque o espaço que este ocupava era ‘dele’. God!!!

loveatfirstsight Foto @ Pinterest