Dos acasos felizes que inundam a alma e dão cor a dias menos bons…

Ou de como um tema lindo, cantado de forma excepcional, envolvido num vídeo tão ‘castiço’, se tornou num verdadeiro doce para um Novembro que foi em tempos ‘o mês’ e que há um ano perdeu cor. Obrigada à música, que me salva tantas vezes! ❤

Pica do 7′António Zambujo

De manhã cedinho
Eu salto do ninho e vou para a paragem
De bandolete à espera do sete
mas não pela viagem

Eu bem que não queria
mas um certo dia eu vi-o passar
E o meu peito céptico
por um pica de eléctrico voltou a sonhar

A cada repique
que soa do clique daquele alicate
Num modo frenético
o peito céptico toca a rebate

Se o trem descarrila o povo refila e eu fico num sino
Pois um mero trajecto no meu caso concreto é já o destino

Ninguém acredita no estado em que fica o meu coração
Quando o sete me apanha
Até acho que a senha me salta da mão
Pois na carreira desta vida vã
Mais nada me dá a pica que o pica do sete me dá

Que triste fadário e que itinerário tão infeliz
Cruzar meu horário com o de um funcionário de um trem da carris
Se eu lhe perguntasse
se tem livre passe para o peito de alguém
Vá-se lá saber talvez eu lhe oblitere o peito também

Ninguém acredita no estado em que fica o meu coração
Quando o sete me apanha
Até acho que a senha me salta da mão
Pois na carreira desta vida vã
Mais nada me dá a pica que o pica do sete me dá

Mais nada me dá a pica que o pica do sete me dá

Letra e Música: Miguel Araújo