Será sempre 25 de Abril. Só tu não estás aqui…

Cravo_BrunaCosta

Cravo @ Bruna Costa

25 de Abril.
25 de Abril, sempre!
Se estivesses aqui, andarias zangado há dias por não poderes sair à rua hoje, nem no próximo primeiro de Maio (como sempre te referias ao dia do trabalhador).
Se estivesses aqui, parecer-te-ia um ultraje não ser possível fazer a Avenida dos Aliados a pé, ao som do Sérgio Godinho ou do Zeca nos altifalantes e de celebrar junto dos que, como tu, continuam a vibrar com uma conquista que é de todos e de cada um. Uma conquista que celebraste todos os dias. A LIBERDADE!
Se estivesses aqui, não poderias estar hoje à noite no concerto do Francisco Fanhais, do José Freire ou do Fausto!
Se estivesses aqui, dir-te-iam que eras uma pessoa de risco e que terias de ficar em casa.
Se estivesses aqui, eu tenho a certeza que, de todos os dias deste isolamento e depois de alguns dias de raiva, estes seriam os únicos dias em que resmungarias, contestarias (interiormente. Como sempre fazias, aliás!). Depois, resignado, ficarias em silêncio. Num silêncio triste e desolador, não duvido! Como se te tivessem roubado a liberdade. Conhecias de cor esse silêncio antigo, que julgavas calado para sempre e que agora, em liberdade, terias de cumprir.
Se estivesses aqui, eu sei que o teu modo recto de ser, capaz de ouvir e entender o óbvio, cedo transformaria esse silêncio no teu novo modo de dizer liberdade.
Se estivesses aqui, só amanhã ou depois falaríamos de hoje. Porque a liberdade que nos ensinaste foi essa mesma. A de saber aceitar o tempo de cada um!
Se estivesses aqui, o 25 de Abril, mesmo em casa, teria ainda assim mais valor, Pai!

Será sempre 25 de Abril. Só tu não estás aqui!
25 de Abril, sempre!

Não consigo pensar (e falar) em ti no passado…

2 meses sem ti…

E não há forma de me convencer que tu não estás cá, Amiga! 😦
Quando penso em ti (e penso tanto e tantas vezes) sinto durante segundos, ou fracções de segundo, uma fugaz alegria, que rapidamente se dissipa e se transforma num enorme vazio. Porque acho que te vou encontrar, se não pessoalmente, pelo menos do outro lado da linha. E estremeço! Estremeço sempre, como quando se acorda de um sonho mau. Porque não estás cá! A minha mente, racional e sem grande piedade, grita essa verdade que o coração tenta contrariar! 😦
Não ouço a tua voz. Não ouço a tua querida e hilariante ‘resmunguice’!
Não pomos a conversa em dia em diálogos simultâneos, que só nós compreendemos, tantas vezes interrompidos pela falta de tempo ou pelas macaquices, birras e pedidos dos nossos pequenos tesouros.

NÃO ESTÁS CÁ! Essa é a minha realidade. Esse é o meu presente do indicativo.
Estou a fazer com que o ‘teu’ ‘Carpe Diem’  me ajude a saber viver com a tua ausência! Se vai resultar? Não sei!

Adoro-te! ❤ Sempre, para sempre!

Para quê complicar o que pode ser simples?


Excerto de “Where to invade next” de Michael Moore

Estamos tão longe deste modelo de ensino! Um modelo que me cativa e segundo o qual eu gostaria de educar o meu filho! Pena em Portugal serem poucas as instituições que se regem por alguns destes conceitos e directrizes. E vivesse eu perto de uma delas!
Não vou dissertar sobre este assunto, mas assumo que me deixa triste e sobretudo preocupada, que a maioria das nossas escolas não eduque crianças para serem felizes. Tal não é possível! Não com esta carga horária, não com a quantidade absurda de trabalhos de casa diária, que não lhes dá sequer tempo para serem crianças. Culpa das ‘metas curriculares’, explicam.

Este modelo de educação parece-vos uma utopia? Pois, mas já não é. Aqui têm um exemplo.

O mundo aos olhos do meu filh♥…

À janela ao anoitecer

’Já viste a lua, mamã? Está enorme, redonda e brilhante!’
Não pude deixar de sorrir! Desde pequenino que ele tem um fascínio pela lua. ❤
‘É muito bonita, filho! Chama-se lua cheia!’
‘Mas ela costuma estar comida. Porque é que ela não está comida?’

Meus queridos, deixei esta pergunta para o pai. 😀 Amanhã vou tentar perceber o que ficou o mais pequeno a saber sobre as fases da lua.

 

 

FB_IMG_1465937050070

‘Look at the stars,
Look how they shine for you,
And everything you do…’
[‘Yellow’ by Coldplay]

 

 

Hoje chamaram-me ‘raio de sol’

E o meu dia ganhou cor! ❤
Grata por todo o afecto que recebo! Agora sou eu que o retribuo!
giphy

Gif @ Facebook

O mundo aos olhos do meu filh♥…

*Na bricolage e na jardinagem com o pai”

‘Estou a fazer um trabalho muito importante com o papá!’, diz o meu pequeno todo entusiasmado!
‘Ai sim? Posso saber o que estão a fazer?’
‘É simples, mamã! Sabes que há coisas que se estragam, como os carrinhos, as ferramentas do papá e outras coisas? Não as podemos deitar ao lixo.’
‘Ai não?!’,
pergunto com o olhar mais admirado do mundo!
‘Nem pensar! Essas coisas vão para a ‘*riquecelagem’, mamã!’
‘Ah! Como fazemos lá dentro ao papel, ao plástico e ao vidro?’
‘Sim, mamã! Isso mesmo! E depois transformam-se noutras coisas.’

Isto prova que a maioria dos comportamentos dos mais pequenos passa pela observação das nossas acções e, como sempre fizemos separação do lixo cá em casa, o Rodrigo já se habituou à dinâmica. Já é ele que coloca o ‘seu lixo’ no respectivo local. Que depois segue para a ‘riquecelagem’!!! 😀

* Claro que o corrigi! Mas, cá para nós, tenho de admitir que adoro a forma como esta palavra ganha vida naquela voz pequenina! ❤

 

Uma imagem, uma música… e a certeza que ‘amanhã é sempre longe demais’

Foto @ Facebook


‘Amanhã é sempre longe demais’ – Rádio Macau (1990)

Imagens da alma…

Grata pelas palavras, querida Sofia. Hoje, mais do que nunca! ❤


Imagem @ Às nove no meu blog

Da música que nos transporta para (as nossas) memórias…

Hoje foi um desses dias. Estava a conduzir, quando, sem contar, comecei a escutar ’In the Air tonight’ de Phil Collins. Em menos de nada, dei por mim a lembrar-me das longas conversas sobre música com os amigos, pela noite dentro. Sim, conversávamos sobre música! 🙂 Veio também à memória a nostalgia das velhinhas cassetes, das gravações caseiras e de as escutar com tanto entusiasmo!
Este tema é simplesmente genial! Passa uma mensagem de raiva, de dor e de perda, numa cadência taciturna que nos leva para um um dos melhores solos de bateria, na minha opinião. Gosto tantinho’ , como diz a minha prima Vera (é verdade, eu tenho uma prima com esse nome).
Ai, como é bom ter saudades daqueles tempos. ❤