*Estranha forma de vida…

* Daqui

Do tempo que ‘é coisa rara e a gente só repara, quando ele já passou’…

O Tempo não pára – Mariza

Eu sei, que a vida tem pressa
que tudo aconteça,
sem que a gente peça.
Eu sei,
Eu sei, que o tempo não pára,
tempo é coisa rara
e a gente só repara,
quando ele já passou.

Não sei se andei depressa demais
Mas sei que algum sorriso eu perdi.
Vou pedir ao tempo,
que me dê mais tempo
para olhar para ti.
De agora em diante
não serei distante,
eu vou estar aqui.

Cantei,
cantei a Saudade da minha cidade
e até com vaidade cantei.
Andei pelo Mundo fora
e não via a hora
de voltar para ti

Não sei se andei depressa demais
Mas sei que algum sorriso eu perdi.
Vou pedir ao tempo,
que me dê mais tempo
para olhar para ti.
De agora em diante
não serei distante,
eu vou estar aqui.

Letra e música: Miguel Gameiro
Arranjo musical: Tiago Machado

Será pouco o tempo que temos ou não o sabemos aproveitar?

Palavras de um tema genial, que poderiam ‘legendar’ os meus mais irrequietos silêncios, os meus pensamentos, ou o tempo que nunca chega.
Achamos (quase) sempre que sabemos que nada é certo, que tudo pode mudar em segundos, mas só entendemos isso realmente quando a vida subitamente nos troca as voltas e nos muda para sempre.

Palco do Tempo – Noiserv

É o palco do tempo
Sem tempo a mais
São voltas às voltas
Por querer sempre mais

É um verso atrás
Um degrau que não viu
São curvas as rectas
Num final não vazio

É o palco do tempo
Sobre o tempo a mais
São voltas à espera
Que não vivendo mais

Sobre a vida (por Liliana Silva)…

Pedaços no Tempo

estou na estação de comboios. tirei um bilhete sem destino e não sei qual é o comboio que devo apanhar. nem a linha. pergunto a um senhor que está à espera junto à linha 1, que me aponta para o balcão das informações. está com pressa e não pode perder tempo. (eu só queria saber qual a linha para apanhar o comboio, mas tudo bem). caminho para o dito balcão. há pessoas aborrecidas (parece que há greve). “estou atrasada”, “vocês são mas é uns malandros, vão mas é trabalhar para as obras, para saber o que é doce”. ouço de tudo um pouco. uns mais irritados, outros menos pacientes. todos com um ar soturno. chega a minha vez de pedir as informações: “oh menina, é sempre na linha 3” (como querem que eu saiba que para fazer esta viagem é sempre na linha 3?). agradeço, mas a senhora já está…

View original post mais 489 palavras

Da inocência pura que revivemos nos mais pequenos e que a vida (naturalmente) nos ‘vai roubando’…

❤ Para o meu amor pequenino! ❤

Música: Sivuca
Letra: Chico Buarque [1977]

João e Maria

Agora eu era o herói
E o meu cavalo só falava inglês
A noiva do cowboy
Era você
Além das outras três
Eu enfrentava os batalhões
Os alemães e seus canhões
Guardava o meu bodoque
E ensaiava um rock
Para as matinés

Agora eu era o rei
Era o bedel e era também juiz
E pela minha lei
A gente era obrigada a ser feliz
E você era a princesa
Que eu fiz coroar
E era tão linda de se admirar
Que andava nua pelo meu país

Não, não fuja não
Finja que agora eu era o seu brinquedo
Eu era o seu pião
O seu bicho preferido
Sim, me dê a mão
A gente agora já não tinha medo
No tempo da maldade
Acho que a gente nem tinha nascido

Agora era fatal
Que o faz-de-conta terminasse assim
Pra lá deste quintal
Era uma noite que não tem mais fim
Pois você sumiu no mundo
Sem me avisar
E agora eu era um louco a perguntar
O que é que a vida vai fazer de mim

Viver a vida como ela é…

Robin: Ted, the future is scary. But you can’t just run back to the past because it’s familiar. Yes, it’s tempting… 
Barney: But it’s a mistake.

HIMYM – Season 6, Ep. 24

É bem mais fácil viver agarrado ao que que se conhece desde sempre, e que sabemos que funciona.
É bem mais fácil não sair daquele trajecto que, à partida, não nos trará surpresas. Caminhar serenamente a par da rotina, sem sair da zona de conforto.
É bem mais fácil pensar que temos sempre tudo sob controle.
No entanto, eu chamo a isto sobreviver, não viver!
Não critico quem prefere viver assim, se isso o consegue fazer feliz. Se eu já pensei assim!

Esforço-me diariamente para não caminhar nessa estrada, para ‘não ouvir essa canção’!
Tenho aprendido que a vida pode construir-se de modo diferente mas igualmente desafiante. Porque, por muito que se queira, é quase impossível existirmos de forma plena num compasso feliz e utópico, de expectativas perfeitamente superadas, de mundo colorido e ‘arrumado’. Eu sei que assim não sou feliz… Já ‘vivi’ nesse mundo e caí imensas vezes. Não me queixo! Pelo contrário. Agradeço a queda! Agradeço o desconforto! Agradeço a indefinição e a incerteza do caminho! Foram estes desvios que me ensinaram o caminho de volta, a recuperar o tempo que perdi a sobreviver! Percebi que o percurso faz-se assim mesmo… de arrelias e alegrias, de contrariedades e de conquistas, de quedas e recuperações, de momentos pouco felizes e de outros que nos enchem as medidas. Na maioria das vezes é no limbo entre as duas acções opostas que nós crescemos (mesmo que não percebamos isso na altura).

O que mais quero é viver a vida como ela é e, como dizem os Skank…
‘deixar a vida me levar
Pra onde ela quiser’.

Será coragem a tremura do medo?

Vertigem – Mafalda Veiga

Haverá luz sugada no escuro?
Será calor o murmúrio do frio?
Terá amor o avesso da vida?
Haverá sonhos no fundo da dor?

Serão gritos os cais do silêncio?
Será coragem a tremura do medo?
Haverá chuva que lave este sangue
E deixe que a terra acalme devagar

Esquece o medo
Sai do escuro
Abre comportas
Deixa gritar
Vai mais fundo
Persegue o mar
Persegue o mar

Será só a vertigem do abismo?
Será mordaça a leveza do pó?
Haverá negro sugado na luz?
Haverá longe por dentro de nós?

Ando sobre uma aresta de gelo
Na vertigem de um trapézio de fogo
Mas canta-me um pouco na tempestade
Canta-me um pouco na tempestade
E deixa que a terra acalme devagar

Esquece o medo
Sai do escuro
Abre comportas
Deixa gritar
Vai mais fundo
Persegue o mar
Persegue o mar

*Este tema, especialmente as palavras que o tornam tão maravilhoso (pelo menos para mim) devem estar algures noutro post deste blog. Porque volto a elas inúmeras vezes, porque me fazem bem, porque que me ajudam a a esboçar o caminho a seguir ou tão-somente a pôr os pontos nos ‘is’, que por vezes me atormentam. Para muitos pode parecer patético, mas não para mim.

Cada qual faz o melhor para se insurgir contra o medo que os desfoca da vida!

Dançar o Am♥r…

Adoro dança! Sobretudo quando a esta arte se juntam emoções, afectos, entrega. É o que acontece numa das coreografias mais bonitas que eu já vi no SYTYCD americano! Ao som de “I’m Kissing You” de Des’Ree e numa coreografia de Stacey Tookey, Aaron Turner and Kathryn McCormick definem, na excelência dos seus passos, gestos, expressões, olhares, a essência do verdadeiro Amor. O Amor que se alicerça na cumplicidade, na união, na partilha de vida e de como importa que o ‘outro’ saiba como estamos agradecidos por sabê-lo ali (em todos os momentos). ❤

Não consegui encontrar um vídeo compatível com o blog, por isso basta clicarem na foto para que o possam ver, se assim quiserem.

Aaron Turner e Kathryn McCormick [coreografia de Stacey Tookey]
SYTYCD (S10,Top10)

[Este post é para ti!]

Para interiorizar #21

Imagem @ Pinterest

Para interiorizar #20

Imagem @ Pinterest

Para o bem e para o mal! Pena comprovarmos isso em situações menos felizes e junto das pessoas que menos esperamos (melhor dizendo, nós até sabemos que tal pode acontecer, mas fazemos por acreditar que, ou os nossos sentidos não estão alinhados, ou que devemos estar enganados). A idade ajuda a prever esses desapontamentos, mas, ainda assim, a vida consegue andar (quase sempre) um passo à frente e surpreender-nos.