Importa viver, não sobreviver…

13551090_10201873739481004_126386382_n

Anúncios

Para quê complicar o que pode ser simples?


Excerto de “Where to invade next” de Michael Moore

Estamos tão longe deste modelo de ensino! Um modelo que me cativa e segundo o qual eu gostaria de educar o meu filho! Pena em Portugal serem poucas as instituições que se regem por alguns destes conceitos e directrizes. E vivesse eu perto de uma delas!
Não vou dissertar sobre este assunto, mas assumo que me deixa triste e sobretudo preocupada, que a maioria das nossas escolas não eduque crianças para serem felizes. Tal não é possível! Não com esta carga horária, não com a quantidade absurda de trabalhos de casa diária, que não lhes dá sequer tempo para serem crianças. Culpa das ‘metas curriculares’, explicam.

Este modelo de educação parece-vos uma utopia? Pois, mas já não é. Aqui têm um exemplo.

FB_IMG_1465937050070

‘Look at the stars,
Look how they shine for you,
And everything you do…’
[‘Yellow’ by Coldplay]

 

 

Hoje chamaram-me ‘raio de sol’

E o meu dia ganhou cor! ❤
Grata por todo o afecto que recebo! Agora sou eu que o retribuo!
giphy

Gif @ Facebook

‘Libera-me’ – Carlos Queiroz

Libera-me

Livrai-me, Senhor
De tudo o que for
Vazio de amor.

Que nunca me espere
Quem bem não me quer
(Homem ou mulher).

Livrai-me também
De quem me detém
E graça não tem.

E mais de quem não
Possui nem um grão
De imaginação.

Carlos Queiroz

Uma imagem, uma música… e a certeza que ‘amanhã é sempre longe demais’

Foto @ Facebook


‘Amanhã é sempre longe demais’ – Rádio Macau (1990)

O coração não me deixa escrever…

… talvez porque, nada do que eu possa dizer agora, serene a dor que o tomou de assalto.
Precisa de tempo.
Precisa de silêncio.
Precisa (voltar a) perceber que a palavra morte também existe, ainda que a queira esconder.

Saudades tuas, Amiga! ❤

 

Imagens da alma…

Grata pelas palavras, querida Sofia. Hoje, mais do que nunca! ❤


Imagem @ Às nove no meu blog

Sinais dos tempos #5

Vídeo aqui

 

O mais importante é o (meu) caminho…

Eu adoro Anatomia de Grey, desde o primeiro episódio! Ora com episódios maravilhosos, ora com outros menos conseguidos, a verdade é que gravei na minha memória momentos, situações, frases que dificilmente esquecerei. E é isso que mais importa, quando gosto de alguma coisa. Perceber o que posso guardar para, se possível, me ajudar no meu crescimento pessoal.
Hoje recorro a estas palavras, que tão bem retratam o meu estado emocional dos últimos tempos.

“They take pictures of mountain climbers at the top of a mountain. They’re smiling, ecstatic, triumphant. They don’t take pictures along the way cos who wants to remember the rest of it. We push ourselves because we have to, not because we like it. The relentless climb, the pain and anguish of taking it to the next level. Nobody takes pictures of that. Nobody wants to remember. We just wanna remember the view from the top. The breathtaking moment at the edge of the world. That’s what keeps us climbing. And it’s worth the pain. That’s the crazy part. It’s worth anything.”

Grey’s Anatomy (S06,Ep.17)

Alegrias ou tristezas, vitórias ou derrotas… todas fazem parte desta montanha russa que é a vida. O que nem sempre se sabe, porque nem sempre nos questionam, é como foi o trajecto, como estivemos pelo caminho. As dores, as desventuras, ou as conquistas de cada um, por vezes sofridas, parecem ser para muitos, e, na maioria das vezes, pouco extraordinárias e aparentemente suportáveis.
No entanto, aquele lugar “onde só chega quem não tem medo de naufragar” é de quem o conquista. Dou por mim a perceber que o mais importante já não é ser compreendida, já não é saber se sou aceite ou se se conseguem colocar no meu lugar. Porque o mais importante é o meu caminho, a pessoa que sou, a verdade que me acompanha. A minha verdade!

Ainda tenho um longo caminho a percorrer. O meu caminho.