O que eu já chorei com este vídeo…


Publicidade realizada para os armazéns John Lewis
[‘Half the World Away’, dos Oasis, na voz de Aurora Aksnes]

Anúncios

Eu acredito em histórias de Amor…

E esta, mesmo sendo uma versão ficcionada para publicidade, é  absolutamente MARAVILHOSA!!!

Extra Gum: The Story of Sarah & Juan

O poder dos afectos…


Video @ Johnson’s® baby Portugal

*’Só se vê bem com o c♥ração, o essencial é invisível aos olhos.’

>> ❤ ❤ ❤ <<


*Antoine de Saint-Exupéry in O Principezinho

O que se passa com a amizade? Ou melhor, o que se passa connosco?

A mais recente publicidade da Super Bock é genial. Tornou-se rapidamente num fenómeno viral nas várias redes sociais. E porquê? A cerveja continua a ser, para mim, a melhor do mercado português. Mas isso não mudou com o spot. A edição de imagem é excelente, a música é intrigante, a locução (que parece ser do actor Marco Delgado) faz a diferença! Porém, o que se destaca é simplesmente a mensagem! Um texto breve e claro, mas profundo, que se torna suficiente para embater, à primeira visualização, contra a surdez e apatia em que vivemos. Estranhamente rodeados de gadgets que nos prendem o olhar. Uma mensagem que serve, se assim quisermos ou aceitarmos, quase como um recado para cada um de nós. Não vale a pena negar. Faz falta beber uma boa cerveja, mas a maioria está, na verdade, sedenta de contacto, de afectos, de partilha directa de emoções… de comunicar olhos nos olhos. A metáfora é muito feliz!!! Portanto, não se passa nada com amizade! Ela está e sempre estará bem de saúde, se for bem ‘regada’, seja com cerveja ou outra qualquer bebida! (desde que  feito com moderação e na idade certa).

Única ressalva: não concordo com a frase os grandes amigos vão-se tornando estranhos’, porque, se a amizade for de facto grande, ela nunca acaba. ❤

O que se passa com a amizade?

Se os amigos são tão importantes na nossa vida, como é que temos tão pouca vida para os amigos? Tudo serve de desculpa. O trabalho, a família, o sono, o sofá. Habituamo-nos a adiar encontros cada vez com menos caracteres. Conversamos com ecrãs. Rimo com as teclas e fazemos likes para enganar a saudade. Mas entre um “não posso” e outro, os grandes amigos vão-se tornando estranhos. O que é estranho!

As grandes amizades não pedem muito. Mas pedem manutenção. Pedem olhares, silêncios, sintonia. Piadas que mais ninguém percebe. Pedem tempo! Mesmo que pareça pouco. Vai sempre parecer.

Não precisamos de mil amigos, precisamos de bons amigos. Muito mais do que imaginamos. Vá lá… liga-lhes e fura-lhes a agenda. Arranca-os da rotina. Das desculpas, seja a que horas for. Se estiveres de pijama, veste umas calças por cima. Marquem encontro no sítio do costume e façam o que sempre fizeram. Nada! Tenham conversas que não levam a lado nenhum. Contem as mesmas histórias de sempre, mas estejam juntos. Está na altura de pousarmos o telefone e levantarmos o copo. Se não puderes hoje vai amanhã. Mas vai mesmo.

Se a vida conspira contra a amizade, conspiremos juntos para a defender.

Leva a Amizade a sério!”

Aprendemos a viver sem pensar (muito) na maior certeza do ser humano…

… e depois chega uma seguradora que desconstrói essa segurança emocional, com que aprendemos a viver, e apresenta-nos uma publicidade aparentemente ‘reveladora’ da velha máxima ‘calha a todos’. 😦 Puro engano! Sente-se de facto um murro no estômago, saboreamos o lado amargo desta encenação, mas não aprendemos ABSOLUTAMENTE NADA. Todos sabemos bem que essa não é a intenção da dita empresa, que tão-somente joga a seu bel-prazer com os sentimentos das pessoas, presa a um único objectivo… VENDER.

*Opto por não colocar o vídeo, nem referir o nome da empresa. Sou contra o ‘vale tudo’.

Nem todos preenchem os requisitos para este emprego…

Muito bom!!! ❤

Sobre a perseverança…

O meu lado infantil…

… e umas lágrimas que não consegui segurar. Tão lindo!!!

 

… e, sim, continuo a acreditar em milagres. 🙂

“Dá o teu melhor. Acredita, vai chegar”

Nomes de marcas à parte, do que eu gosto neste vídeo é da mensagem inicial. Porque somos nós, mães, que sabemos o que é melhor para os nossos filhos, não querendo com isto descurar ou desprezar a ajuda preciosa que nos podem dar. 🙂 A verdade é que os ‘pais de bancada’ (if you know what I mean) às vezes estão longe de saber o que é importante para o nosso bebé.

A publicidade está bem conseguida. Claro que, se puder, aproveito as promoções, mas isso são outras contas.