FB_IMG_1465937050070

‘Look at the stars,
Look how they shine for you,
And everything you do…’
[‘Yellow’ by Coldplay]

 

 

Anúncios

O coração não me deixa escrever…

… talvez porque, nada do que eu possa dizer agora, serene a dor que o tomou de assalto.
Precisa de tempo.
Precisa de silêncio.
Precisa (voltar a) perceber que a palavra morte também existe, ainda que a queira esconder.

Saudades tuas, Amiga! ❤

 

Quem nunca sentiu dor de alma não sabe o que é sentir dor de alma…

Pode até entender, fazer um esforço para apoiar, pode ler e saber os elementos teóricos que a explicam. Mas não sabem o que é, porque não a sentiram. Não sabem que ela nos rasga o peito e nos dilacera o coração. Não sabem que ela nos percorre o ser num caminho desnorteado, do qual não sabemos o fim ou se tem fim. Não sabem que ela nos encaracola num casulo que parece proteger, mas que no fundo é tão-somente uma casa abandonada. Não sabem que ela nos arranca o riso e o sorriso e nos devolve um triste e sombrio semblante, que reflecte o imenso vazio que ganhou terreno dentro de nós. Não sabem que ela nos rouba o mais precioso bem: a vida.
Não sabem que alguns ‘regressam’ (nunca iguais, mas regressam) e que outros nunca encontram o caminho.

Quem nunca sentiu dor de alma não sabe o que é sentir dor de alma.
Eu já senti dor de alma! E, por isso, compreendo notícias como esta.

Parece que foi ontem que ‘abri uma janelinha’ na blogosfera…


Foto daqui

OBRIGADA!

Pode alguém ser quem não é?*

Então não pode? É tão fácil para alguns.
A minha paciência para pessoas falsas e dissimuladas é que está a diminuir consideravelmente. Porque, se pensarmos friamente, é  uma pura perda de tempo! Dou preferência aos afectos! ❤

George Costanza : “When you look annoyed all the time, people think that you’re busy.”

 

* Título de um tema de Sérgio Godinho.

Viver a vida como ela é…

Robin: Ted, the future is scary. But you can’t just run back to the past because it’s familiar. Yes, it’s tempting… 
Barney: But it’s a mistake.

HIMYM – Season 6, Ep. 24

É bem mais fácil viver agarrado ao que que se conhece desde sempre, e que sabemos que funciona.
É bem mais fácil não sair daquele trajecto que, à partida, não nos trará surpresas. Caminhar serenamente a par da rotina, sem sair da zona de conforto.
É bem mais fácil pensar que temos sempre tudo sob controle.
No entanto, eu chamo a isto sobreviver, não viver!
Não critico quem prefere viver assim, se isso o consegue fazer feliz. Se eu já pensei assim!

Esforço-me diariamente para não caminhar nessa estrada, para ‘não ouvir essa canção’!
Tenho aprendido que a vida pode construir-se de modo diferente mas igualmente desafiante. Porque, por muito que se queira, é quase impossível existirmos de forma plena num compasso feliz e utópico, de expectativas perfeitamente superadas, de mundo colorido e ‘arrumado’. Eu sei que assim não sou feliz… Já ‘vivi’ nesse mundo e caí imensas vezes. Não me queixo! Pelo contrário. Agradeço a queda! Agradeço o desconforto! Agradeço a indefinição e a incerteza do caminho! Foram estes desvios que me ensinaram o caminho de volta, a recuperar o tempo que perdi a sobreviver! Percebi que o percurso faz-se assim mesmo… de arrelias e alegrias, de contrariedades e de conquistas, de quedas e recuperações, de momentos pouco felizes e de outros que nos enchem as medidas. Na maioria das vezes é no limbo entre as duas acções opostas que nós crescemos (mesmo que não percebamos isso na altura).

O que mais quero é viver a vida como ela é e, como dizem os Skank…
‘deixar a vida me levar
Pra onde ela quiser’.

Será coragem a tremura do medo?

Vertigem – Mafalda Veiga

Haverá luz sugada no escuro?
Será calor o murmúrio do frio?
Terá amor o avesso da vida?
Haverá sonhos no fundo da dor?

Serão gritos os cais do silêncio?
Será coragem a tremura do medo?
Haverá chuva que lave este sangue
E deixe que a terra acalme devagar

Esquece o medo
Sai do escuro
Abre comportas
Deixa gritar
Vai mais fundo
Persegue o mar
Persegue o mar

Será só a vertigem do abismo?
Será mordaça a leveza do pó?
Haverá negro sugado na luz?
Haverá longe por dentro de nós?

Ando sobre uma aresta de gelo
Na vertigem de um trapézio de fogo
Mas canta-me um pouco na tempestade
Canta-me um pouco na tempestade
E deixa que a terra acalme devagar

Esquece o medo
Sai do escuro
Abre comportas
Deixa gritar
Vai mais fundo
Persegue o mar
Persegue o mar

*Este tema, especialmente as palavras que o tornam tão maravilhoso (pelo menos para mim) devem estar algures noutro post deste blog. Porque volto a elas inúmeras vezes, porque me fazem bem, porque que me ajudam a a esboçar o caminho a seguir ou tão-somente a pôr os pontos nos ‘is’, que por vezes me atormentam. Para muitos pode parecer patético, mas não para mim.

Cada qual faz o melhor para se insurgir contra o medo que os desfoca da vida!

Desta insatisfação que nos assiste…


Uma insatisfação que o eterno e sempre actual António Variações nos descreveu como ninguém!

De como a alegria de uns pode ser a tristeza de outros…

unnamed

Aprendemos sempre com novos desafios…

Por isso, um imenso agradecimento à Soni do blog Portas Basculantes que me honrou com a ‘nomeação’ para este desafio. Como lhe disse, ou melhor escrevi, ‘primeiro estranhei, depois entranhei’. Não porque seja avessa a desafios, mas porque parece que acabo por contar muito mais de mim, o que não deixa de ser contraditório para quem tem um blog. Acabei por perceber que o mesmo despertou em mim diferentes modos de me (re)ver e perceber como algumas coisas mudaram de há uns tempos para cá. Comecemos…

1 – O que você não sai de casa sem? O telemóvel (com o qual parece termos feitos votos de união – ‘para o bem e para o mal’ 😀 )

2 – Qual seu animal favorito? Como animal doméstico o cão. Mas adoro o ar desengonçado mas, ao mesmo tempo, belo das girafas);

3 – Qual seu sapato favorito? Sapato de salto alto, mas tive de me resignar à sabrina (coisas que a idade não perdoa);

4 – Produto de maquilhagem indispensável? Pouco dada à maquilhagem, mas, ainda assim, privilegio o pó compacto e o blush.

5 – Qual seu maior sonho? Conseguir ser mais desapegada do que não vale a pena e só ocupa espaço (físico e emocional) e viver menos focada na mania da perfeição.

6 – Qual o seu maior defeito? Teimosia.

7 – O que te irrita nas pessoas? Ui, ui! 🙂 Irrita-me a falsidade, o egoísmo, a mediocridade, a falta de palavra, a superioridade… 

8 – Qual sua comida favorita? Uma espécie de tortilha que a minha mãe faz como ninguém. Apesar de ser ‘um bom garfo’, escolheria SEMPRE este prato.

9 – Doce ou salgado? Doce (para mal dos meus pecados!)

10 – O que te deixa feliz? Ver o meu filho a crescer feliz!  Mas não posso deixar de falar de como é importante o sorriso e o bem-estar do meu mundo de afectos. 

Ditam as regras que nomeemos 5 blogues para dar seguimento ao desafio, por isso cá vai a minha escolha (entre os que visito diariamente e que gosto muito) e uma ressalva: se não quiserem responder, não há problema algum. Ainda assim, quem quiser usar o post para participar, sinta-se nomeado. 🙂

Eis os 5 blogs nomeados:

O Mundo de Alice

Coffee and Flea

A Princesa Maria

Ana Feio Em testes

O Diário

Desafiem-se!!!