Importa viver, não sobreviver…

13551090_10201873739481004_126386382_n

Anúncios

Imagens da alma…

Grata pelas palavras, querida Sofia. Hoje, mais do que nunca! ❤


Imagem @ Às nove no meu blog

O mais importante é o (meu) caminho…

Eu adoro Anatomia de Grey, desde o primeiro episódio! Ora com episódios maravilhosos, ora com outros menos conseguidos, a verdade é que gravei na minha memória momentos, situações, frases que dificilmente esquecerei. E é isso que mais importa, quando gosto de alguma coisa. Perceber o que posso guardar para, se possível, me ajudar no meu crescimento pessoal.
Hoje recorro a estas palavras, que tão bem retratam o meu estado emocional dos últimos tempos.

“They take pictures of mountain climbers at the top of a mountain. They’re smiling, ecstatic, triumphant. They don’t take pictures along the way cos who wants to remember the rest of it. We push ourselves because we have to, not because we like it. The relentless climb, the pain and anguish of taking it to the next level. Nobody takes pictures of that. Nobody wants to remember. We just wanna remember the view from the top. The breathtaking moment at the edge of the world. That’s what keeps us climbing. And it’s worth the pain. That’s the crazy part. It’s worth anything.”

Grey’s Anatomy (S06,Ep.17)

Alegrias ou tristezas, vitórias ou derrotas… todas fazem parte desta montanha russa que é a vida. O que nem sempre se sabe, porque nem sempre nos questionam, é como foi o trajecto, como estivemos pelo caminho. As dores, as desventuras, ou as conquistas de cada um, por vezes sofridas, parecem ser para muitos, e, na maioria das vezes, pouco extraordinárias e aparentemente suportáveis.
No entanto, aquele lugar “onde só chega quem não tem medo de naufragar” é de quem o conquista. Dou por mim a perceber que o mais importante já não é ser compreendida, já não é saber se sou aceite ou se se conseguem colocar no meu lugar. Porque o mais importante é o meu caminho, a pessoa que sou, a verdade que me acompanha. A minha verdade!

Ainda tenho um longo caminho a percorrer. O meu caminho.

♥ CONFIA ♥

Queria ter mais palavras para explicar o que senti, ao ver este momento de beleza e altruísmo.
Deixo algumas:
Orgulho.
Respeito.
Esperança.

CONFIA, SOFIA! Vai dar tudo certo! ❤
E muito obrigada, Sofia!

Para interiorizar #24

Imagem @ Project Happiness

Quem nunca sentiu dor de alma não sabe o que é sentir dor de alma…

Pode até entender, fazer um esforço para apoiar, pode ler e saber os elementos teóricos que a explicam. Mas não sabem o que é, porque não a sentiram. Não sabem que ela nos rasga o peito e nos dilacera o coração. Não sabem que ela nos percorre o ser num caminho desnorteado, do qual não sabemos o fim ou se tem fim. Não sabem que ela nos encaracola num casulo que parece proteger, mas que no fundo é tão-somente uma casa abandonada. Não sabem que ela nos arranca o riso e o sorriso e nos devolve um triste e sombrio semblante, que reflecte o imenso vazio que ganhou terreno dentro de nós. Não sabem que ela nos rouba o mais precioso bem: a vida.
Não sabem que alguns ‘regressam’ (nunca iguais, mas regressam) e que outros nunca encontram o caminho.

Quem nunca sentiu dor de alma não sabe o que é sentir dor de alma.
Eu já senti dor de alma! E, por isso, compreendo notícias como esta.

Da ténue linha que separa a vida da morte…

“Às vezes parece que só se vem ao mundo para enterrar os mortos. Para fazer o caminho que todos fazemos pelos outros e que, inevitavelmente, outros farão por nós. Perguntamos, para o vazio, porquê e o vazio responde-nos de volta, com nada. Perguntamos porque não entendemos que raio de viagem é esta. (…) Desejamos a vida mas odiamos a morte, como se separassem, como se não fizessem parte. Fazem. Mas continuamos sem entender. Lamentamos o tempo, o timing, a altura. Porque nunca é tempo, nunca é o timing, nunca é a altura. E marchamos cansados. Cansados de não entender, numa fila perfeita que não sabe para onde vai. Hoje arrastei a alma. Chorei esta e as outras perdas também. A minha tão fresca. Senti-me cansada. Cansada de não entender nada, nem como, nem porquê. Parece que a vida cansa e parece que a morte descansa, na pessoa que está ali serena, deixando-nos com o paradoxo. Estão os vivos tão cansados e os mortos, parece que descansam, porque talvez eles já tenham entendido. Talvez já saibam o que ainda não sabemos e por isso é que já podem descansar.”

Marine Antunes |Daqui|

Para interiorizar #23


Imagem @  Harold’s Planet

… num dia em que a dor e a ausência ganham mais força. O poder das datas! 😦

A aprender a aceitar o que não posso mudar…


Imagem @ Quotes And Sayings

Para interiorizar #22


Imagem @ Pinterest